5 melhores (E REALMENTE GRATUITOS) antivírus para o Linux de 2020

Bjorn Johansson
Publicado em: 25 de junho de 2020
5 melhores (E REALMENTE GRATUITOS) antivírus para o Linux de 2020

Após anos usando o Linux em meu computador principal, fiquei cansado de ver a quantidade de antivírus Linux de baixa qualidade que circulam pela internet. Apesar do Linux ser muito mais seguro que outros sistemas operacionais, eu encontrava o tempo todo vulnerabilidades difíceis de resolver.

Uma das razões para isso é que simplesmente não existem muitos antivírus para o Linux. Apesar de malware ainda ser um problema, os usuários do Linux não enfrentam os mesmos riscos que usuários do PC ou do Mac, então, precisamos utilizar outras ferramentas de cibersegurança para proteger nossos aparelhos.

Passei um longo tempo para encontrar as melhores ferramentas gratuitas de cibersegurança para o Linux disponíveis online. Após testar 29 programas diferentes, encontrei alguns programas fortes como a rocha para ajudar a potencializar a segurança em minha máquina Linux.

Está sem tempo? Esta é a minha lista dos 5 melhores antivírus gratuitos para o Linux de 2020:

  1. ClamAV: Varredura antivírus gratuita de código aberto com uma GUI.
  2. Sophos: Gratuito para um usuário, faz a varredura e remove malware, apenas por linha de comando.
  3. Firetools: Sandbox que evita scripts maliciosos da web com uma GUI.
  4. Rootkit Hunter: Varredura anti-rootkit com base em comportamento, apenas por linha de comando.
  5. Qubes: Uma distribuição desenvolvida para manter seu computador o mais seguro possível.

1. ClamAV — Melhor varredura de código aberto com 100% de detecção de malware

ClamAV — Melhor varredura de código aberto com 100% de detecção de malware

Assim como o Linux, o ClamAV é de código aberto, então, seu diretório de vírus é constantemente atualizado por usuários do mundo todo — qualquer pessoa pode contribuir para o diretório usando a função sigtool do ClamAV. Esse tipo de colaboração da comunidade é algo que eu amo no Linux, e é uma das razões pelas quais o ClamAV está presente em quase todo repositório de programas da distribuição.

O ClamAV é um poderoso antivírus por linha de comando — mas eu recomendaria a novatos no Linux a começar com o ClamTk. O ClamTk inclui a maioria das mesmas funcionalidades do ClamAV em uma Interface Gráfica do Usuário (GUI, na sigla em inglês) simples, com opções para examinar pastas, drives ou servidores individuais.

O ClamTk é ótimo pela sua facilidade de uso, mas a interface por linha de comando do ClamAV oferece o máximo controle para usuários avançados. Após ler alguns depoimentos sobre o ClamAV, eu pude programar varreduras de pastas específicas, marcar alguns programas na lista de software seguros e até configurar o ClamAV para apagar arquivos suspeitos. A varredura anti-malware rodou muito bem no meu computador, pegando 100% dos meus arquivos de teste.

Gosto de poder configurar o ClamAV daemon para examinar ativamente meu servidor de e-mail. Essa é uma ferramenta realmente útil para usuários numa rede que também inclui usuários do Windows ou do Mac — eu a usei para procurar por malware específico para o PC e o Mac em meus e-mails e então apaguei arquivos suspeitos antes que pudessem se espalhar pela minha rede.

Conclusão:

O ClamAV é o antivírus gratuito para o Linux mais usado. Está hospedado em quase todo repositório de programas, é de código aberto e tem um imenso diretório de vírus, continuamente atualizado por usuários ao redor do mundo. Depois de aperfeiçoar meus conhecimentos de linha de comando, pude agendar varreduras, deletar arquivos e adicionar itens ao diretório de malware. Para novatos e pessoas com pressa, eu também sugiro o ClamTk, que é uma GUI para o ClamAV, que torna funcionalidades antivírus básicas fáceis de acessar. O ClamAV é totalmente gratuito, então, recomendo que você o teste se estiver procurando por um antivírus de código aberto de alta qualidade.

Acesse o site do ClamAV

2. Sophos — Melhor varredura de baixo impacto + Gratuito para um único usuário

Sophos — Melhor varredura de baixo impacto + Gratuito para um único usuário

A Sophos é uma das poucas “grandes empresas de antivírus” que oferece um antivírus gratuito para o Linux. Ele pode não ser um produto da comunidade de código aberto do Linux, como o ClamAV, mas ainda é um software poderoso para usuários que conhecem bem o Linux.

O Sophos Antivirus for Linux é uma das varreduras anti-malware mais rápidas desta lista. Eu o testei na minha máquina com o Ubuntu e ele escaneou meu disco rígido mais rápido — e com menos impacto sobre a CPU — que o ClamAV.

Novatos terão que perder tempo lendo vários tutoriais para configurá-lo. Não há GUI para o desktop e, após ler algumas instruções densas para conectar a GUI online na nuvem ao meu desktop, fiquei frustrado ao ver que alguns recursos básicos não eram acessíveis de lá. Após alguns ajustes na linha de comando, eu configurei o Antivirus for Linux para realizar varreduras regulares em meu servidor de e-mail, assim como no meu disco rígido.

Uma das principais reclamações que vejo de usuários do Linux é que, enquanto o ClamAV tem um diretório de malware publicamente disponível, o Sophos não pratica esse tipo de divulgação de código aberto — o diretório de malware deles é privado. Mas porque o Sophos utiliza heurística avançada, pode detectar com precisão malware com base em seu comportamento, ao invés de identificá-lo pelo código-fonte. Meus testes me mostraram que ele é tão eficaz quanto o ClamAV.

O Sophos Antivirus for Linux é uma boa escolha para usuários individuais do Linux, mas já que só é gratuito para um usuário, eu não o recomendaria como uma opção acessível para empresas ou equipes. Se você precisa de um antivírus robusto e de baixo custo para sua empresa, eu recomendo o Bitdefender GravityZone Business Security.

Conclusão:

Fiquei impressionado com a velocidade do Sophos Antivirus for Linux, sua taxa de 100% de detecção de malware e baixo uso da CPU. É uma boa escolha para usuários individuais com bons conhecimentos na interface por linha de comando, principalmente porque a GUI online é tão complicada de configurar. A análise heurística do Sophos significa que ele deve ser capaz de detectar até o malware mais recente e desconhecido. Mas a versão gratuita só é disponível para um usuário.

Visite o site do Sophos

3. Firetools — O melhor para Sandboxing com a GUI

Firetools — O melhor para Sandboxing com a GUI

Depois que eu configurei um antivírus forte para meu sistema, eu sabia que minha máquina estava protegida contra a maioria das ameaças de malware — mas e quanto a scripts para a web maliciosos? Após ter sido hackeado por um site executando Javascript malicioso, há vários anos, eu sabia que precisava de uma ferramenta de sandboxing de alta qualidade.

O Firetools é a ferramenta de sandboxing essencial para usuários do Linux. A ferramenta Sandbox permite que um arquivo seja executado sem afetar nenhum outro, o que é perfeito para testar malware ou isolar um navegador, de modo que scripts para a web perigosos não possam invadir o seu sistema.

O Firetools é a versão GUI do Firejail, um aplicativo de sandbox de código aberto para testes de malware e segurança do navegador. Eu tenho o Firetools configurado, de modo que o Mozilla Firefox vai automaticamente para a sandbox sempre que é aberto, permitindo-me navegar em qualquer lugar online sem medo que scripts baseados na web perigosos invadam meu computador.

Com meu navegador na sandbox usando o Firetools, meus arquivos protegidos com um antivírus de alta qualidade, e a ampla maioria dos meus produtos novos vindo de meu gerenciador de pacotes do Ubuntu, minha máquina se tornou realmente à prova de malware.

Conclusão:

O Firetools é uma atualização mais amigável do programa de sandbox clássico Firejail. É minha ferramenta favorita para evitar que scripts para a web maliciosos invadam minha máquina, repleta de recursos para testar novos programas com segurança. A GUI torna fácil para mim acessar todos esses recursos sem ter o trabalho de usar linhas de comando, e tem quase zero dependências, então, não deixa meu computador mais lento. Além disso, é completamente gratuito, portanto, definitivamente vale a pena dar uma olhada, para qualquer um que queira fortalecer sua máquina Linux contra ameaças online.

Visite o Firetools

4. Rootkit Hunter — Melhor varredura contra rootkits por linha de comando

Rootkit Hunter — Melhor varredura contra rootkits por linha de comando
Rootkits são um dos tipos de malware mais difíceis de detectar, e também os mais perigosos. Quando meu computador Windows foi invadido por um rootkit, eu perdi todos os meus dados. Eu tinha o Windows Defender instalado, mas ele não pegou o rootkit porque rootkits se infiltram nos arquivos do sistema, onde sua atividade frequentemente passa despercebida.

O Rootkit Hunter foi desenvolvido com alguns princípios de design muito simples, mas eficazes — primeiro, ele procura por rootkits conhecidos que estejam em seu banco de dados, e depois procura por comportamento estranho nos arquivos do sistema. Esse recurso de análise do comportamento é super eficaz para rastrear novos rootkits, que estão o tempo todo sendo adaptados para enganar os diretórios antivírus mais recentes.

Uma das primeira coisas que você precisa saber é isto: O Rootkit Hunter não é para iniciantes. Quando rodei pela primeira vez o Rootkit Hunter, meu servidor de e-mail recebeu imediatamente três mensagens de erro! Eu segui as instruções de um tutorial do YouTube — após algumas tentativas e acertos, consegui fazer o programa rodar com segurança no background.

Testes para rootkits são famosos por serem difíceis, mas eu pude usar o Firetools para pôr na sandbox alguns malware de teste. O Rootkit Hunter bloqueou todos eles e me notificou instantaneamente sobre a ameaça. Ele também conquistou uma reputação estelar entre os membros da comunidade Linux, então, sinto-me 100% seguro em recomendá-lo.

Por ser gratuito e consumir tão pouca CPU, o Rootkit Hunter é uma boa escolha para qualquer um, de usuários domésticos a enormes companhias, mas só se você conseguir fazê-lo funcionar!

Conclusão:

O Rootkit Hunter é meu antivírus favorito contra rootkit. Sua análise de comportamento significa que até os rootkits mais recentes não passarão despercebidos. Eu recomendo muito que novos usuários estudem as Perguntas Frequentes sobre a instalação, porque a configuração pode ser cansativa. Mas, depois que eu o configurei, o programa rodou sem problemas no background, enviando notificações por e-mail sobre processos potencialmente prejudiciais. É adequado tanto para usuários individuais quanto para grandes empresas, e recomendado para qualquer pessoa que queira proteger seu sistema contra uma infecção de rootkits.

Visite o site do Rootkit Hunter

5. Qubes — O melhor sistema operacional Linux desenvolvido para segurança máxima

Qubes — O melhor sistema operacional Linux desenvolvido para segurança máxima

Todas as ferramentas de segurança nesta lista são adições valiosas para qualquer sistema operacional Linux, mas para o usuário Linux que quer manter um sistema realmente seguro, é necessário começar de baixo para cima. O Qubes OS foi desenvolvido para ser o sistema operacional mais seguro do mundo. É recomendado por especialistas em cibersegurança, ativistas no campo da ética digital e jornalistas investigativos, como Edward Snowden, a ACLU, e o The Intercept.

O Qubes dá aos usuários a habilidade de colocar diferentes funcionalidades importantes no computador em domínios separados, chamados Qubes. Qubes são máquinas virtuais — elas se comportam como aparelhos individuais e podem até rodar sistemas operacionais diferentes, mas ficam todas contidas em um só computador. Esse isolamento virtual evita que hackers infectem um sistema inteiro com malware. Existe um Qube que hospeda o Xen Hypervisor — a plataforma que conecta todos os Qubes — e, de lá, as possibilidades são infinitas.

Eu escolhi um laptop Dell Inspiron para experimentar o Qubes, já que existe uma lista bem longa de hardware que não funciona bem com esse sistema operacional. Eu pude executar o Windows e o Debian em dois Qubes separados simultaneamente, mas instalar o Ubuntu foi trabalho demais para mim.

Como eu tinha lido que importar e organizar arquivos em Qubes podia ser uma enorme dor de cabeça, decidi começar do zero. Tive que pesquisar um pouco e utilizar linhas de comando, mas consegui configurar 4 Qubes. Um Qube para o trabalho, um para meu tempo criativo, um para minhas portas USB e um para meu firewall. Infelizmente, não é possível jogar em Qubes — no momento, modelagem 3D é um processo complexo demais para suas especificações de segurança. Mas streaming de filmes e música, processadores de texto e programas de edição de imagens funcionaram bem para mim.

Conclusão:

Para usuários do Linux que querem permanecer o mais seguros possível, o Qubes é o melhor sistema operacional e tem um design inovador à prova de hackers. Acostumar-se a navegar por diferentes funcionalidades em diferentes máquinas virtuais não foi fácil, mas assim que configurei meu fluxo de trabalho de uma maneira lógica, comecei a gostar da experiência de hospedar várias máquinas virtuais em um único desktop. Se você é um usuário Linux experiente procurando por um sistema operacional voltado para a segurança, o Qubes OS é o caminho.

Visite o site do Qubes

Computadores Linux precisam de antivírus?

Sim.

Apesar da comunidade do Linux trabalhar para limitar as vulnerabilidades deste software, todo programa oferece uma potencial rota para a infecção por malware. Mesmo que você tenha baixado os patches mais recentes, hoje em dia existe muito malware específico para o Linux. E se você está recebendo arquivos de fora de seu repositório de programas, aumenta ainda mais seu risco de infecção.

Também existem ameaças online. Os hackers podem usar o Javascript para invadir seu computador através do seu navegador. Em várias partes da web, basta apenas um clique para baixar malware por acidente. Ferramentas como a nova GUI do Firejail, o Firetools, tornam mais fácil pôr na sandbox qualquer navegador, evitando que scripts para a web entrem em contato com arquivos do desktop.

Essas são apenas duas razões pelas quais diferentes tipos de proteção antimalware são essenciais para fortalecer qualquer sistema Linux contra ameaças de cibersegurança.

O Linux pode infectar PCs e Macs com malware?

Sim.

Usuários do Linux executando servidores de e-mail que se conectam com computadores Mac e PCs podem transmitir acidentalmente malware desenvolvido para esses sistemas operacionais.

Porque usuários do Linux geralmente não examinam seus aparelhos em busca de malware específico para o Mac e PC, seu servidor de e-mail Linux pode, na verdade, servir como rota alternativa para infecções por malware por toda a sua rede.

Se você quiser manter os usuários de outros sistemas operacionais seguros em sua rede, eu recomendo o ClamAV, que inclui ferramentas de varredura que detectam e deletam malware específico para Mac e para o PC em seu servidor de e-mail.

Se você se preocupa seriamente com a cibersegurança da sua empresa, o Bitdefender GravityZone Business Security oferece um conjunto completo de ferramentas para redes baseadas no Linux.

Qual a melhor distribuição do Linux para obter máxima segurança?

A resposta para isso depende inteiramente do que você procura num sistema operacional.

Iniciantes são encorajados a conferir o Ubuntu e o Linux Mint — esses são os pontos iniciais típicos para novatos, com interfaces intuitivas, um monte de programas confiáveis e um visual bem familiar para usuários do Windows e do Mac.

Pessoalmente, eu gosto do Ubuntu. Já vem com ferramentas de segurança para o Linux embutidas, como o AppArmor, e um monte de arquivos seguros em seu repositório de programas. Dito isso, para permanecer 100% seguro, ainda precisei fortalecer minha máquina com várias ferramentas antivírus, como uma varredura antimalware e um programa de sandbox.

Eu recomendo que qualquer pessoa que realmente precisa de um sistema seguro — como programadores, jornalistas, ativistas e advogados — dê uma olhada no QubesOS. Eu o instalei num laptop Dell e fiquei muito impressionado com a maneira como ele dividiu diferentes funcionalidades num único computador — tornando virtualmente impossível para um hacker ganhar acesso a arquivos importantes.

É fácil rodar um antivírus no Linux?

Depende.

Muitos usuários experientes do Linux diriam que todos os programas nesta lista são fáceis de usar. Achei o ClamTk o antivírus gratuito mais simples de usar para o Linux — é a versão GUI do ClamAV, com a maioria dos recursos do ClamAV organizados numa interface intuitiva.

Mas se você é um usuário do Linux, vai precisar aprender a utilizar interfaces por linha de comando. O Sophos oferece uma varredura antimalware poderosa de graça, mas a GUI baseada na nuvem exige configuração por linha de comando um tanto complicada.

O Rootkit Hunter é a varredura mais difícil de usar da minha lista — é só uma interface por linha de comando, sem GUI, mas aprendi muito sobre as configurações de segurança do meu sistema durante o processo de configuração. E gosto de ter controle completo sobre meu programa.

Sobre o Autor

Bjorn Johansson
Bjorn Johansson
Bjorn é um pesquisador em cibersegurança e atua na defesa dos direitos dos internautas.

Sobre o Autor

Bjorn é um pesquisador em cibersegurança e atua na defesa dos direitos dos internautas. Natural da Suécia, ele agora vive na costa do Maine com sua esposa e dois filhos. Quando não está ajudando a manter a internet segura, ele gosta de passear de barco com sua família e de trabalhar com madeira.
Transparência e confiança – Temos o orgulho de ser o único site no qual os usuários podem contribuir livremente e compartilhar suas opiniões sobre qualquer antivírus com outros membros da comunidade. Quando você visita um site através de um link fornecido por nós, às vezes recebemos comissões de afiliados que possibilitam o nosso trabalho. Leia mais sobre como trabalhamos.